Prémio

PRÉMIO DO PROJECTO || BEATRIZ MATOS

Olá Nossos Devanienses ( E Querido Prémio )!

 

 

Queridos CTT acho que andam a exagerar na vossa competência. Não exagerem tanto. Por gentileza. Se conseguirem, claro. Se forem tão competentes por gosto, tudo bem. Desde que as coisas cheguem todas a casa, já é pedir muito. Sim, a embalagem chegou assim. O coração doi. Fica a dúvida se tem tudo. Aliás, era um Prémio Surpresa. Não dá para saber.

Realmente fiquei muito triste com a situação. Não é a primeira vez. Atrasam-se. Não chegam ao destino. Não tocam à campainha. Não deixam o papel para levantar a encomenda. Só competência. Uma salva de pés para eles.

Citando a querida Beatriz Matos ” É horrível o serviço e é inademissível as encomendas chegarem assim.”. Sublinho e coloco a negrito. A Francisca também.

 

Foto de Miss L.

 

Falando do Prémio Surpresa (Melhor parte), amei de paixão. Só tenho de agradecer novamente. Porém quando vi, fiquei um pouco… Já tenho uns oito balsámos. Sim, estou bem protegida. Quanto ao gel de banho, a minha colecção agradece bastante.

FIQUEI MESMO CONTENTE. Nem a incompetência dos CTT deixou que esta felicidade diminui-se.

 

 

Este Prémio foi dum concurso realizado pela Beatriz Matos que se denominava As Máscaras do Dia-a-Dia na Sociedade. O meu texto foi o vencedor. Fiquei mesmo feliz! Não é todos os dias que os nossos textos que escrevemos com tanto carinho ganha um prémio. E que prémio! Quase uma Prenda de Anos, pois chegou em Maio.

A outra menina, a Joana de vinte e um anos, também escreveu um bom texto. O que deixa ainda mais feliz. Ambas somos vencedoras. Ambas cumprimos. Ambas escrevemos com alma.

 

para o post da joana silva.png

 

Irei falar sobre a escravidão. Na minha opinião nunca havia de ter surgido. Acho que houve por todo o mundo muito sofrimento e em muitos outros países ainda existe. Terá iniciado no Brasil. Os colonos portugueses escravizavam os índios, ainda assim a oposição religiosa dificultou esta prática. Partiram para as suas colônias em África e trouxeram os negros para trabalhar em engenhos de açúcar. Trabalhavam também em minas de ouro. Executavam as tarefas mais duras e perigosas. A maioria recebia péssimo tratamento. Comiam alimentos de péssima qualidade, dormiam na senzala e recebiam castigos físicos. O transporte no Brasil era realizado em navios negreiros que apresentavam péssimas condições. Eram vendidos como mercadorias. Não podiam praticar a sua religião de origem africana, nem seguir a sua cultura. As mulheres foram escravizadas e executavam, principalmente atividades domésticas. Acabou no Brasil em 1888.Depois de tanto tempo é complicado pensar que poderá ainda existir. Pior é que existe porém de forma “disfarçada “, praticada através do “gato” promessas falsas feitas pelos patrões de salário e bom modo de vida que os trabalhadores não terão. Dada a situação era importante irradicar este problema. Todos tem direitos e devem poder usufruir como todos. Esperemos que acabe pois não me orgulho que exista.

 

Foto de Joana Silva.

 

Este subtema escolhido pela Joana faz doer os rins. Não só os rins, todos os órgãos do corpo. Para a nossa própria saúde mental, mais vale “ignorar”. Exactamente como aqueles que comem carne humana. Sim, também existe canibalismo. No Tinder também. Uma maneira simples. NÃO SE DEVE CONFIAR NA INTERNET!

A sociedade é muito estranha.

Outra coisa, se não sabes o que é o Tinder, não interessa. Tem pelo menos uma pessoa lá que come carne humana. Chamei de pessoa? Vamos passar à frente. Talvez esse ser esteja a escrever-te neste momento. Pensa nisso.

Beijinhos