Texto Pessoal

Sente Mais || Texto Pessoal

Olá Nossos Devanienses!

Trazemos-lhe mais um texto pessoal.

Sente mais. Sente Algora. Sente mais tarde. Sente de momento. Sente. Sente. Sente. Sente hoje. Sente ontem. Sente amanhã.

Sente, simplesmente. Sente. Sente. Sente. Acorda e sente. Acorda e sente. Acorda e sente. Sente a tua vida. Sente a nossa vida. Sente a vida.

Sente e mais nada. Sente com amor. Sente com paixão. Sente naturalmente. Sente. Sente. Sente.

Sente de maneira única. Não sintas de maneira politicamente correcta. Sente. Sente. Sente.

Beijinhos

Texto Pessoal

Conta com Contos || Texto Pessoal

Olá Nossos Devanienses!

Há muito que não trazemos um texto pessoal.

 

Conto com contos. Conto sem contos. Conto por mim. Conto comigo. Conto para mim. Sorri. Sorri porque a vida é bela. Sorri para melhorar

Aventura-te a seres feliz.

Conto com contos. Conto tudo ao redor. Distraidamente. Conto. Conto com contos.

Conto tudo para dentro. Ninguém precisa de saber. Conto com contos. Conto com contos. Conto com contos.

Beijinhos

Texto Pessoal

Sonha No Amanhã || Texto Pessoal

Olá Nossos Devanienses!

Venho partilhar convosco um texto pessoal meu. Espero que gostem.

 

Sonha no amanhã. Sonha. Sonha. Sonha. Conquista. Conquista. Conquista. Luta!

Não dormas. Não acordes. Inspira-te. Inspira-te. Inspira-te. Inspira-te.

Não olhes. Vê as coisas. Entende-as. Entende-as- Entende-as.

Escreve um diário. Lê um diário alheio e às escondidas.

Eu já li e só me riu. Ri-me na altura. Riu-me agora.

Ri-te. Ri-te. Ri-te.

Tu tens valor. Muito. Bastante. Sente-te bem contigo.

Valoriza-te. Valoriza-te. Valoriza-te.

Sorri para ti. Sorri para o Mundo. Sorri. Sorri. Sorri.

Veste aquela nova roupa. Não tens? Comprar. Compra algo que te anime dentro das tuas possibilidades.

Renova-te. Renova-te. Renova-te.

Sonha no amanhã. Sonha no amanhã. Sonha no amanhã.

 

Beijinhos

 

Texto Pessoal

Texto Pessoal || Tudo Acaba De Noite

Olá Nossos Devanienses!

Venho partilhar convosco um texto meu. Espero que gostem.

 

Tudo acaba de noite. Sim, esta noite. Estás-te a rir? Para ti é um alívio livraste de mim? Sim, eu sei disso há muito tempo. Vou-te dar um presente. Sim, um presente. De Natal, não. Um presente a sério. Já deveriam ter-te dado há muito. Deveriam ter-te dado quando estavas no ventre. Depois, eu desapareço da tua vida. Como disse, tudo acaba esta noite, não é mesmo?

O teu riso é… enfim. Deixa para lá. Já nada importa. Nada te importou. Provas isso a cada dia na tua falsidade. Não te irrites. Não vale a pena. Claro que não és falso. Tem calma. Tudo vai ter o seu fim. Não admites? Nunca ninguém te falou assim? Quero lá saber! É para o lado que eu durmo melhor. Vou dormir tão bem após te dar o meu presente.

Não fiques nervosinho. Também escusas de por o teu ar sexy. A mim nunca irás conquistar assim. Já conquistaste? É mesmo para rir. Pensa o que quiseres. Já não fazer diferença alguma.

Espera. Tem calma. Calminha. Tudo a seu tempo. Tudo no seu lugar. O fim está próximo. Nunca mais vais-me ver. Nunca mais haverão sacrifícios. Vai tudo acabar. Depois agradeces-me.

Agora tens medo? Não vai custar nada. Não resistas ao óbvio. Sim, é meio óbvio. Eu vou viver. Tu não.

 

Beijinhos

Texto Pessoal

Três Homens Em Conflito || Texto Pessoal

Olá Nossos Devanienses!

Estamos aquipara partilhar mais um texto pessoal. Esperamos que seja do vosso agrado.

 

Três. Sim, só três. Três homens em conflito. Em conflito porquê? Em conflito porquê? Em conflito porquê? Sei lá.

Algo que eles têm em comum. O que será que eles têm? Não sei. Em conflito porquê? Em conflito porquê? Em conflito porquê?

Esta Montanha-Russa está a andar muito depressa. Pára ai, moço. Não me canso dos admirar. A forma como aumentam o conflito que têm. Com garra. Sei lá. Talvez não passe dum sonho bom. O jeito que eles se olham. O ritmo perfeito deles. Tudo neles me convence que tudo é natural.

Pelo menos, tentam. Cada detalhe. Eles estão em conflito. Em conflito porquê? Em conflito porquê? Em conflito porquê?

Eu reparo neles sem parar. Um murro na mesa. Um vai-se embora. Parece cansado. Volta. O conflito ainda não acabou. Em conflito porquê? Em conflito porquê? Em conflito porquê?

Na medida certa. Tudo tem uma justificação. Em conflito porquê? Em conflito porquê? Em conflito porquê?

Não sei. Eles saberão?

 

Beijinhos

Texto Pessoal

Texto Pessoal || Hoje Não

Olá Nossos Devanienses!

Gostaria de partilhar mais um texto pessoal convosco.

 

Hoje não. Não. Não. Não. Respira com cuidado. Respira moderadamente.

Hoje não. Não. Não. Não. Não tentes dar-me a volta. Nunca conseguiste, não conseguirás agora.

Hoje não. Não. Não. Não. Vai com calma. Vai devagar.

Hoje não. Não. Não. Não. Tudo precisa do seu tempo. Tudo precisa do seu momento.

Hoje não. Não. Não. Não. Tudo precisa do seu espaço. Tudo precisa do seu encanto.

Hoje não. Não. Não. Não. Eu finjo-me encantar por ti. Só porque sim. Só porque tem de ser.

Hoje não. Não. Não. Não. Pensas que consegues tudo. Tem piada esse teu pensamento.

Hoje não. Não. Não. Não. Pára. Só pára. Por gentileza. Fica chato. Monotono.

Hoje não. Não. Não. Não.  Hoje não. Não. Não. Não.

Hoje não. Não. Não. Não. Hoje não. Não. Não. Não.

Hoje não. Não. Não. Não. Hoje não. Não. Não. Não.

 

Beijinhos

 

Texto Pessoal

Texto Pessoal || A Pele Com A Carne

Olá Nossos Devanienses!

Parece que alguém voltou a escrever um texto. Espero que gostem.

O Verão não aparece aqui. O Agosto já passou por ti? Nem por mim. O Sol não se despede com antes. O som madrugou para te acordar. Sente que tudo te queima por dentro. As ondas da tua voz não me encantam, mas eu mergulho nela. Não vamos nadar juntos. As tuas mãos nunca serão o meu Sol.

Deixa tudo arder. O Mar apaga tudo. Não mergulhes. É a minha vez. Não fiques parado. A madrugada não é eterna. Tu marcas o nada.

Tu vais cair? Talvez sozinho. Bebi do teu sangue. Lado a lado. Jovens sem fim. As tuas promessas já nem são contáveis.

Não insistas. Esquece tudo. Estás perdido no teu Destino que pensas que é nosso. Fazes-me rir. Sai dessa escuridão do teu caminho.

Se é uma despedida? Não penses tão alto. Nós só somos um Mundo já vivido. Apenas eu não fico à espera. O relógio não pára. Nada vais sentir. Vou beber mais um pouco do teu sangue. Os passos desta vida não acabam hoje.

Pelo menos, para mim. Tu e eu. Não, isso não existe. Um ciclo sem sentidos.

Eu nunca quis. Eu nunca fiz. Eu nunca vi. É assim que tem de ser. Não fiques nervoso só porque o mapa se tornou outro. Tu não sabes quem eu sou e para onde vou. Mesmo assim, foste tu quem me chamou.

O sentido oposto. Encontrarei um vício novo. Vai durar pouco como tu. Arranja uns trocos para esses bolsos. Faz o esboço. Talvez eu vá. Talvez tu fiques.

Não te deve importar para onde eu vou. Eu já vou e tu não.

 

Beijinhos

Texto Pessoal

Texto Pessoal || O Casino Da Tua Vida

Olá Nossos Devanienses!

Vou partilhar convosco mais um texto pessoal. Espero que gostem.

A tua vida sempre foi um grande e falido casino. Alguma vez ganhaste? Deixa-me rir. Deixa-me. Deixa-me. Deixa-me. Por mais que as tuas intenções sejam boas, nunca levas a melhor. As intenções eram boas para ti e só para ti. Nunca deste ponto sem nó. Tentavas dar o nó, mas ficavas pela tentativa. Se fosses um filme, serias aquele que eu mais detestava.

Onde já se viu usar jóias num Sábado?, disseste tu uma vez. Isso não te concerne minimamente. Nem eram jóias, eram bijutarias. O teu sangue não corre nas tuas veias. Tu já estás morto. Morto. Morto. Morto.

Perdeste toda a graça no dia em que nasceste. Porquê que nasceste? Porquê? Porquê? Porquê?!

Qual é a nota que dás a ti próprio? Qual a nota negativa que dás a ti próprio?!

Já não dás. Já não existes. Tem um golpe perfeito no teu pescoço. Fui eu que fiz algo de útil…

 

Beijinhos

Texto Pessoal

Texto Pessoal || O Meu Caixão

Olá Nossos Devanienses (E Quem Está No Nosso Caixão)!

Hoje venho partilhar convosco mais um dos meus textos.

Cai. Já esperava. Quase certo. Nem penso na dor. Não durmo. Eu desperto e vejo tudo. Sei tudo de cor. Tudo o que dizes quando volto. Vou perder-me? Sempre e sem pudor.

Um abraço só teu. Um beijo no meu caixão. Vem. Vem . Vem. Já escolheste como me vais matar? Com essa revolta toda a fervelhar no teu sangue fraco? Com essa raiva? Estás quase perto de mais. Já tens a tua arma? Ah, sim, claro. Como me esqueci? Contigo é tudo físico.

Vai ser rápido ou lento? Só me queres matar que nem ligas aos pormenores. O teu cérebro congelado não deixa. Vem. Vem. Vem. A tua revolta fascina-me. És tão machista! Estás pronto para respirar por mim? Pois, como sabes, eu nem sempre respiro. Pensavas que isso era uma brincadeira minha? Fazes-me rir.

Não sabes mesmo com quem estás a lidar. Vem. Vem. Vem. Já escolheste o meu caixão? Ah, tu não te importas com isso. Já esperava. Porquê que me queres morta? Atrapalho-te? Faz-me rir. Sou tão querida. Como seria capaz de te encurralar? Achas que seria capaz? Até me entristeces com esse pensamento. Não, nunca.

Pára de ser tão revoltado. Anda cá. Chora de alívio novamente. Vem. Vem. Vem. Vai ser o nosso segredo. Vai sim, confia.

Pára de gritar. Estás-me a assustar. Com isto a acontecer deverias ter mais calma. Um caso como o nosso. Tem calminha. Eu sei que vou ficar aqui. Nunca vais ter o que eu não tenho. Um beijo. Pede aos Céus. Vais ser feliz.

Não precisas mais de chorar de alivio. Gritar. Stressar. Que pena ver-te assim. Rasga o meu perdão com toda a tua vontade. Eu não vou mais fugir do que és. A viagem acabou para ti. Sim, para ti. Faz-me rir. Que triste é tu viveres.

Amigos? Deixa-me rir ainda mais. És patético! É de pedir aos Céus mais inteligência para ti! Sê inteligente! O teu sangue é fraco. Tudo em ti é fraco. Cobarde. Gostar de ti? Nunca! Prefiro a tua morte. Ninguém me vai parar. Ninguém me vai perguntar. Ninguém vai saber o meu porquê. Ofereces a tua vida a bem ou mal? Não entendes, pois não? Achas mesmo que eu quero alguém como tu na minha vida?! Não prestas!

Isto que tu tens não é vida. Tu não tens salvação! Traís. A tua morte não me engana. Grito. Desespero. Choro. Sangue. Tu contaminas tudo aquilo que tocas. Cala esse teu desespero. Eu vou dar sentido à tua morte! Ninguém se lembrará de ti. Só custa no início. Vem. Vem. Vem. Não podes voltar atrás. O teu sangue será só meu. Honra os teus medos. Sabes ser fingido.

O teu sangue cai lentamente. A tua morte não custou nada. Querias a minha morte e eu tive a tua como presente. Mais uma promessa tua em vão. Nunca cumpres o que dizes! És um remendo feito à pressa. As tuas mágoas estão em repouso.

Costuma-se dizer que só é fogo se queimar. Não lamento. Agora és um segredo da tua alma desfeita. Estavas a cambalear na minha vida. A tua vida patética não fazia sentido. Fiz-te um favor. Vem. Vem. Vem. Imploraste. Gostei. Vieste com falinhas mansas. As do costume. Deliciei-me com acto de te matar. Ficaste mais miserável!

 

Beijinhos

 

Texto Pessoal

Texto Pessoal || Noite Fria

Olá Nossos Devanienses!

Venho partilhar convosco mais um texto meu.

A noite está fria, mas mesmo assim, nem para isso preciso de ti. És um inútil e um imbecil. Um imbeciloíde. Um pé rapado. A noite está fria, mas mesmo assim, não te vou chamar. A noite está fria, mas mesmo assim, tu não tens encanto. A noite está fria e assim vai continuar, pois assim é que tem o seu encanto. A noite está fria, menos fria do que o teu coração vagabundo. Repara, eu não coloquei a vírgula. Chamei de vagabundo ao teu coração e não a ti. Pois, tu não sabes que um simples vírgula faz toda a diferença. Tu não sabes. Eu acho-te burro? Fazes-me rir. Ouviste isso da minha boca? Não, pois não? Então, deixa-te estar no teu cantinho. A noite está fria. A noite está fria. A noite está fria. Pensavas mesmo que ias conseguir levar a tua mentira para a frente? Obrigada por me fazeres rir. Diz-me uma coisa, porquê que te matas-te depois de teres negado tudo e ela acreditado? A noite está fria e tu finalmente morte.

Beijinhos